Connect with us

Dando continuidade a entrevista com os jogadores da INTZ que lançamos semana passada, chegou a vez de incomodarmos um pouquinho o psicólogo Claudio Godoi e o Assistant Coach Lucas Pierre, para entender um pouco melhor como funciona a staff de um time do CBLoL, e entender melhor como funciona a preparação dos players.

Confira nossa conversa!

Claudio, Houve algum jogador que o trabalho psicológico ajudou mais? E como foi lidar com a mudança de time para esse split?

Claudio: Não teve nenhum jogador que teve algo específico, eu trabalhei pelo menos nos aspectos da psicologia com todos eles, a maior parte do trabalho é em equipe, sempre pegamos uns aspectos individuais de um jogador ou outro, mas o grande objetivo é fazê-los funcionar como um time.

Em relação a troca dos jogadores, o trabalho em si, a base do trabalho continua a mesma, a diferença é que como estamos com uma equipe nova tudo isso precisou começar do 0. Se você troca um jogador você tem uma equipe diferente, que funciona de maneira diferente. Então eu sempre trabalho com base em avaliar o que está acontecendo nas dinâmicas ou como está o funcionamento de cada um em relação aos outros e intervir para que isso funcione de uma melhor forma, então em si isso continua da mesma forma.

Quando se passa muito tempo com as mesmas pessoas a convivência fica desgastada, você acha que foi por isso que houve mudança no time?

Claudio: Eu acho que não, até porque sempre se tem algum desgaste mesmo com aquele cara que é mais seu amigo. Eventualmente alguma coisinha que antes incomodava um pouquinho vai virando uma bola de neve.

No time anterior a gente teve um desgaste por não conseguir ter férias, porque conforme você ganha o primeiro campeonato você recebe a vaga para um outro, e jogando esse outro  o time ganha uma vaga para mais um. Essa é uma consequência  de ter um time que não perdeu, como foi a INTZ ano passado, eles não tiveram um minuto de descanso no decorrer de todos os campeonatos que participaram, a carga de trabalho vai exaustando, o nível de responsabilidade vai aumentando e eu acredito que isso vai levando a um desgaste, mas nós íamos trabalhando.

Em situações de convivência o que acaba desgastando são as pequenas coisas, por exemplo, o cara que deixa a pasta de dente aberta, aí você acha que é pouco de você falar sobre aquilo, isso vai virando um incômodo e às vezes você está em um dia ruim e isso tende a explodir.

O trabalho psicológico abrange isso, mas ele não é só isso. Mas, com o foco de fazer você conviver mais fácil com essas pessoas e com isso você conquistar um melhor vínculo e um jogo rolando mais fluido.

Claudio você acabou de falar sobre essa falta de férias para o time de 2016. Como está sendo a preparação com esse atual time já que vocês tem reais chances de ganhar o CBLoL, conquistando assim vaga pra outro campeonato.

Claudio: É um pouco cedo para dizer, o nosso objetivo é que tenha esse desgaste que a gente vá para o MSI, depois volte, jogue o segundo split,  depois o mundial e siga assim, mas o que incomoda é esse desgaste é que é muito individual, não seria nem no aspecto jogador então vai ser trabalhado mas a forma que será trabalhado depende muito da situação do que estará acontecendo no momento.

E para você Pierre como que é essa preparação para que caso aconteça o mesmo que houve em 2016 o time esteja mais preparado?

Pierre: Primeiramente estamos pensando no semana a semana, pegar os playoffs, jogar os playoffs, jogar a final, temos que dar um passo de cada vez e obviamente a gente almeja chegar no MSI, ir bem no MSI, e ganhar.

Mas, o ponto é que a gente não pode sofrer por antecipação, claro que a gente tem uma noção de que o competitivo na verdade quando ele começa ele é não é uma disputa de corrida de velocidade, ele é uma corrida de resistência principalmente para quem ganha e fica por muito tempo no topo como a INTZ ficou no ano passado, a gente tem sim o planejamento para esse tipo de coisa como por exemplo, nesse carnaval a gente teve um descanso, alguns times treinaram manhã, tarde e noite em dias que eles poderiam estar descansando e isso fez uma diferença boa para o nosso time por exemplo, refrescou a mente dos jogadores.
A gente também tem atividades corriqueiras de relaxamento, meditação, temos um planejamento para caso obviamente a gente chegue nos próximos campeonatos a gente consiga dar esse pequeno descanso e uma respirada.

Claudio e Pierre

Quero saber isso dos dois, nós vimos que nos outros times que o Ayel passou ele recebeu muitas críticas, na última entrevista que tivemos com o Micão ele nos contou que o Ayel é muito empolgado e que às vezes eles precisam controlar essa empolgação do Ayel, como está sendo o trabalho com ele?

Claudio: O Ayel é um jogador extremamente polido mecanicamente e ele tem essa coisa de por exemplo, se ele começa a ganhar no jogo, ele logo se anima, grita, e uma coisa que a gente teve que ir com calma, é que às vezes e dentro do macro play funciona, você matar um jogador de um lado do mapa para você conseguir objetivos do outro lado. E as vezes ele se empolgava nessas ações e ele queria dar TP rápido, eu não sei o quanto isso atrapalhava ele no dentro dos time, mas em si a gente conseguiu uma união entre ele e os outros jogadores até no aspecto pessoal já que eles curtem juntos, eles saem juntos, eles tem esse envolvimento pessoal que facilita bastante essa convivência entre eles.

Pierre: O Ayel, pelo menos uma impressão pessoal que eu tenho dele, é que ele é um menino que tem um potencial infinito de evolução, ele é um cara que tem um potencial muito grande e um cara muito coração, muito emotivo e sempre foi e da pra perceber nele isso diariamente. Mas, lá dentro da INTZ, além dele ter um ambiente competitivamente bom, e todo mundo levantar a moral dele, saber como ele joga, a gente ao mesmo tempo conseguiu trazer essa emoção dele junto com o racional.

Não é cortar o estilo dele nem nada assim, mas pegamos a parte boa que o emocional dele traz para o jogo nessa questão do protagonismo, da liderança e de jogar para frente e colocamos isso em um ambiente estratégico onde podíamos usar isso muito bem.
Hoje ele não só se sente incluído como em uma família, mas também mais livre para poder exercer o potencial dele e esse destravamento ainda não tinha acontecido.

E Pierre, sobre o novato Envy, como foi a preparação dele para o CBLoL?já que vimos que nas primeiras semanas ele aparentava um nervosismo que sumiu para essa série de vitórias da INTZ.

Pierre: O Envy é um menino novo, nosso bebezinho (risos), e ao mesmo tempo é um cara que tem uma cabeça madura muitos falam que pessoas novas demoram para se adaptar, mas como ele é um cara que tem uma maturidade muito grande para entender o jogo e entender a nova fase da vida dele ele assimilou isso muito bem, e isso não vem do nada isso é algo que ele tinha há muito tempo, ele sonhava com o CBLoL, queria participar do competitivo, então mesmo ele não tendo uma passagem tão longa como outros jogadore, ele já veio com uma cabeça muito bem preparada para aprender.

O mais importante de um bom aluno é a cabeça preparada para receber informação, e isso se aliou ao fato de ter um excelente professor que é o Peter Dun, e um excelente psicólogo e um excelente ambiente, ele chegou e se encaixou como uma luva para o time e o fato dele ter jogado menos solto nas primeira semanas é realmente uma questão natural, uma barreira natural que você tem que vencer e a ficha dele caiu muito rápido e é isso que está dando esse destaque para ele.

Houve muitas mudanças no time para esse split uma delas foi a saída do coach Alex, o quanto essa saída mudou para o time, na sua opinião Pierre?

Pierre: Eu não posso falar por experiência, porque eu entrei faz pouco tempo, mas apesar do Alex ter saído eu acho que a principal parte do trabalho ficou, que é a questão do ambiente e o Peter já vinha trabalhando com eles a 1 ano mesmo que de longe, então eu acho que a essência e a estrutura da staff foi envolta dele. Eu acho que isso deu para sentir diferenças tanto na troca de players quanto na troca de staff.

Mas, é um trabalho sempre contínuo de manter sempre o mesmo ambiente, de manter a mesma qualidade de ensino e aprendizagem no time.

Nós viamos que muitos diziam que a INTZ de 2016 tinha problema de comunicação com o Alex devido a barragem linguística, esse foi um dos pontos levados em consideração na escolha do Claudio no estúdio com os meninos?

Pierre: Na verdade não, a gente teve um problema com o Peter porque ele precisou se ausentar, e eu acho que a maioria das pessoas sabem que ele teve que se ausentar uma vez e talvez ele tenha que se ausentar novamente em breve por conta de problemas de saúde da família que ele tem lá fora.

Então por isso a INTZ optou por colocar alguém que esteja presente o tempo todo, no caso o Cláudio que já está trabalhando a mais tempo com a equipe, e essa foi a opção mais segura para a gente. E é por isso que o Cláudio está lá, não por ruídos na comunicação nem nada do tipo.
Mas, estamos estudando a opção do Peter assumir em breve e possivelmente veremos ele no palco fazendo o draft.

Quero a sua opinião pessoal e profissional sobre o porque a Keyd não emplacou ainda, já que temos a Red Canids e a INTZ que são times novos que estão dando aula de sincronia e bom jogo?

Pierre: Eu sou mais assitente de coach do que propriamente analista, mas vamos lá. O que eu enxergo é que o maior problema da Keyd não é questão de individual, de grupo ou de repente a staff, o maior problema da Keyd foi principalmente na montagem do time.

A montagem do time levou mais em consideração os nomes do que encaixe, para que você faça uma equipe funcionar é necessário que você crie uma equipe, você precisa criar um grupo e nesse grupo criar um senso de trabalho em equipe, de como jogar, movimentar idéias de como fazer as coisas unidos e colocar todo mundo na mesma roda, aí sim você começa a rodar e as coisas começam a sair mais perfeitas.

Então talvez o problema da Keyd seja mais no começo, na questão da montagem do time realmente. Eles tem ótimos jogadores, não só os dois que saíram da INTZ mas o Esa, o Takeshi e o Zirigui eles são muito bons e tem muito futuro pela frente. Mesmo que eles não consigam o playoff nesse split.

Acho que houve um pouquinho de afobamento na hora de montar o time, “Vamos trazer um monte de estrelas e fazer funcionar pegando o melhor que tem aqui, o melhor que tem ali”, e não pensar nessa questão de equipe em si.

 

É isso ai gente, essa foi nossa conversa com o Pierre e com o Claudio, espero que tenham gostado, e não esqueçam de continuar mandando suas perguntas!

E não se esqueça dia 11/03 às 13 horas começa a última semana da fase de grupos do CBLoL!

Comments

comments

Bruna Andrade - Conhecida por ai como Nana ou Pandora Nana, cosplayer, geek, publicitaria, streamer e redatora da Gaming News. Louca por jogos e e-sports. Me segue lá nas redes sociais: Instagram: @pandora.nana Twitter: @pandoranana_

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CBLOL

Entrevista: Shini Fala Sobre a Derrota da INTZ para a CNB – Cblol 2018

Rapha

Published

on

Após derrota no último domingo (01/-7) para CNB, a equipe da INTZ se complica na tabela e empata na tabela com a Red Canids, que conseguiu sua primeira vitória no segundo split do Cblol contra a IDM.

O Gamingnews conseguiu uma entrevista com o caçador da equipe da INTZ, Shini. Confira abaixo entrevista completa.

GN: Shini com o Master Yi e Taric tão forte, porque não banir o campeão?

Shini: Eu acho que o Draft não foi o problema em si, do jeito que jogamos hoje poderíamos estar com qualquer campeão e eles também, que nós perderíamos do mesmo jeito. No jogo contra o Master Yi o jogo acabou com 6 minutos quando teve aquele luta no red, lutamos mal, estávamos separados, a Kai’as que era nosso hyper carry já estava sem flash, nesse momento perdemos o jogo o Master Yi já estava de Guinsoo com 11 minutos de jogo.

Então acho que não tem haver com o draft, jogamos mal, foi incompetência da nossa parte.

Gn: Como estão os treinos da INTZ?  O que você sente que está faltando?

Shini: O treino nunca foi um problema para nossa equipe, acho que também não é problema, eu não sei o que está acontecendo também. Acho que temos que trabalhar mais mesmo porque claramente não está sendo suficiente, então sei lá, é meio triste assim.

Treinamos uma semana inteira e achamos que está tudo bem, chega no fim de semana que é hora do “vamos ver” e jogamos mal assim. Isso não pode acontecer!

Gn: Essas derrotas no segundo split do Cblol 2018 estão abalando a INTZ?

Shini: A gente tenta ao máximo  na hora de entrar esquecer tudo que está acontecendo, focar só no nosso jogo, nos nossos champions, nos champions deles. Eu não acho que aja medo de arriscar, acho que talvez falte coerência do nosso time em fazer as coisas juntos, talvez falte uma voz para decidir “sim, faremos isso, não faremos isso”. Porque claramente na luta do red teve um conflito de idéias, alguns membros da equipe queriam lutar e outros não e se você for para uma play com dois querendo e dois não querendo lutar, não vai dar certo.

Então não acho que tenha haver com medo de arriscar, tem mais haver com a gente, o conjunto.

 

Pausa no Cblol 2018

O Cblol terá uma pausa de duas semanas, devido  Copa do Mundo e do Rift Rivals 2018, evento que ocorre no mundo inteiro e aqui no Brasil as equipes da Latin America North (lln), Latin America Sul (Las) e Cblol brigam para ver qual é a melhor liga da região.

Quer ficar por dentro do Cblol com entrevistas exclusivas?  Então siga a nossa fã page e acompanhe as novidades.

Comments

comments

Continue Reading

League of Legends

EZREAL também terá rework em League of Legends

Bruna Andrade

Published

on

EZREAL também terá rework em League of Legends

Com o recente rework do Aatrox, que ainda causa grandes discussões na comunidade, já que o campeão começou a aparecer no competitivo antes de sofrer com as alterações, e muitos temem que com o rework o campeão volte a ser esquecido.

Já temos o rework da ninja Akali e do Nunu com seu yeti, porém um novo campeão acaba de entrar nessa lista, e pode ser uma aposta perigosa da riot já que ele é um dos personagens mais queridos do jogo

Rework do Ezreal

Através de uma stream oficial da Riot chinesa, foi confirmado que o popular atirador, Ezreal, também passará por um rework. De acordo com a transmissão o campeão deverá passar por uma atualização simples, voltada para o seu visual dentro do jogo e algumas de suas habilidades.

Uma possível data de lançamento ainda não foi revelada, mas especula-se que ele deva chegar apenas após o lançamento dos dois reworks já confirmados na agenda oficial.

Comments

comments

Continue Reading

League of Legends

Segunda etapa do Circuito Desafiante 2018 tem revanche de paiN Gaming e Team One

Bruna Andrade

Published

on

Segunda etapa do Circuito Desafiante 2018 tem revanche de paiN Gaming e Team One

A Riot Games, produtora e desenvolvedora do League of Legends (LoL), anuncia que a Segunda Etapa do Circuito Desafiante 2018, a segunda divisão do League of Legends competitivo do Brasil, terá início no dia 16 de julho, com a estreia dos times paiN Gaming e Team One. O torneio será transmitido às segundas-feiras, às 21h, e às terças-feiras, às 19h, no canal oficial da Promo Arena no Twitch.

No primeiro embate do campeonato, teremos a reedição da Grande Final da Segunda Etapa do CBLoL 2017, quando a paiN Gaming perdeu a decisão do split para a Team One e ainda teve que ver a rival se consagrar Campeã Brasileira de League of Legends e representar o Brasil no Mundial, na China.

Além da revanche, a paiN, dona de uma das maiores torcidas do LoL no país, ainda tem o desafio de recuperar seu posto no CBLoL, a elite profissional de League of Legends. Esta é a primeira vez que a equipe é rebaixada e participa da série B do cenário competitivo de LoL no Brasil.

Participam também da competição as equipes Operation Kino, WP Gaming, Redemption e Submarino Stars. Confira a escalação de cada equipe, o calendário completo e os confrontos já definidos da Primeira Etapa do Circuito Desafiante 2018 em LoL Esports BR.

Formato

O Circuito Desafiante, realizado em parceria com a Promo Arena, sofreu pequenas alterações em seu formato para aumentar o peso da regularidade das equipes e tornar a liga mais democrática.

A Fase de Pontos segue normalmente em Melhor De 2 (MD2). O que muda é que antes, três das seis equipes podiam conquistar vaga no Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) e, a partir deste ano, apenas duas vagas estarão em disputa: o vencedor da competição é diretamente classificado e o vice-campeão disputa a vaga com o 7º colocado do CBLoL.

Comments

comments

Continue Reading
%d blogueiros gostam disto: