Connect with us

eSports

Novo modo de jogo com sistema de “Pick e Ban” de operadores para Rainbow Six Siege

Bruna Andrade

Published

on

Com mudanças no cenário competitivo, atualização permitirá banir operadores e trará novas estratégias para o jogo

A Ubisoft divulgou nesta terça-feira (8) mais detalhes sobre o novo modo competitivo de Rainbow Six Siege, que irá permitir o banimento de operadores pelos players. O “Pick e Ban” dará a cada equipe a opção de anular dois operadores para a partida.

Anunciado pela primeira vez durante o Six Invitational, o novo modo será introduzido com o lançamento da segunda temporada do Ano 3 e vai mudar o processo de seleção dos operadores no jogo, trazendo uma variedade de novas estratégias para o cenário competitivo do Rainbow Six Siege.

“Pick e Ban” será um recurso usado durante a sétima temporada da Rainbow Six Pro League e em eventos competitivos oficiais.

No cenário competitivo, a dinâmica de rodadas também será diferente. Cada partida terá cinco rodadas de ataque e cinco de defesa em sequência, sendo que os times não vão alternar entre eles. A primeira equipe que conseguir seis pontos vencerá a partida.

A nova rotação de rodadas deve ser menos confusa para a audiência, já que as equipes não trocarão de lado a cada uma delas. Da mesma forma, isso deve permitir que os times façam adaptações de suas estratégias em tempo real, sem precisar mudar sua mentalidade de ataque para defesa a cada momento.

Em sua essência, o “Pick e Ban” é uma ferramenta que introduz um novo mecanismo de banimento em que dois operadores de ataque e dois de defesa se tornam indisponíveis durante toda a partida. O objetivo é aprofundar a estratégia do jogo, trazendo diferentes opções em um confronto e criando a possibilidade para jogadores construírem seu próprio META.

Por exemplo, se um operador em particular é considerado uma ameaça, o “Pick e Ban” coloca o poder nas mãos dos jogadores, que podem criar uma estratégia que anule o estilo de jogo de seu oponente. Uma equipe pode banir um operador, não porque ele é forte, mas porque o time adversário joga melhor com ele.

Pré-Jogo

Preparação

Inicialmente, você precisa criar uma partida personalizada e então ir para as configurações do jogo. De lá, poderá ativar e desativar a ferramenta de Ban. Você também precisa selecionar o tempo por fase de proibição. Para espelhar as configurações da Pro League, você também poderá ativar o Sexto Pick e selecionar a hora para esta fase. Por último, você define a rotação do objetivo para rodadas ganhas.

– Fase de Ban

Durante a fase de Ban, os times alternam turnos para banir atacantes e defensores para o mapa, seguindo esta ordem:

1.       Time defensor: bane atacante 1

2.       Time atacante: bane atacante 2

3.       Time atacante: bane defensor 1

4.       Time defensor: bane defensor 2

A ordem de Ban foi feita para prevenir que o time que vai jogar primeiro bloqueie pares de operadores críticos para o outro lado. Por exemplo, a equipe que começar no ataque sempre terá o segundo Ban de operador de ataque e o defensor sempre terá o segundo Ban de defesa. Enquanto os operadores são banidos por uma partida inteira, a fase de pick ainda acontecerá toda rodada.

Spawn e Seleção do Bomb

Depois da fase de Ban, os atacantes vão selecionar o seu Spawn, local em que cada player renasce após uma rodada, e os defensores vão selecionar o Bombsite, onde está a defesa.

Fase de Pick

Ambos os times vão escolher seus operadores depois de decidirem o local de Spawn e Bombsite. Não houve muita mudança nesta parte, mas as equipes poderão selecionar seu operador sabendo onde estarão defendendo ou nascendo para o ataque.

Durante a partida

Fase de Revelação e Sexto Pick

Depois da fase de Pick, todos os operadores são revelados para os dois times deixando cada jogador ciente da escalação inimiga. Seguindo a “Revelação”, cada time pode ativar o Sexto Pick ou a possibilidade de escolher novamente um de seus operadores. Esta sexta escolha é alheia ao time inimigo, pois eles não sabem se um operador foi trocado e muito menos qual deles.

Pensamento dinâmico e boas decisões são a chave na sexta escolha, já que os jogadores vão querer atrapalhar seu oponente, enquanto tentam entender a estratégia inimiga. Blefe, adaptação e diversidade são partes fundamentais deste processo.

Rotação de rodadas

Cada partida terá cinco rodadas de ataque e cinco de defesa em sequência, sendo que os times não vão alternar entre eles. A primeira equipe que ganhar seis rodadas vencerá a partida.

A nova Rotação de rodadas deve ser menos confusa para a audiência, já que as equipes não trocarão de lado a cada uma delas. Da mesma forma, isso deve permitir que os times adaptem suas estratégias em tempo real, sem precisar mudar sua mentalidade de ataque para defesa a cada momento.

Rotação Objetiva

Existem duas opções para a Rotação Objetiva: “Jogar” e “Por Vitória”. O “Jogar” é a implementação atual, em que, se um time vence em um objetivo, ele deve jogar um número determinado de rodadas em outros objetivos para voltar a jogar no anterior. Já “Por Vitória” é um conjunto de regras alternativas em que, se um time vencer um objetivo, ele deve ganhar um número X de rodadas em outros objetivos para voltar a jogar nele. Perder em outros objetivos não desbloqueia os outros conquistados anteriormente.

Com o novo estilo de Rotação Objetiva, chamado “Rounds Vencidos”, as equipes serão obrigadas a ganhar um determinado número de rodadas em outros Bombsites antes de retornar ao que ganharam anteriormente. Isso evitará que as equipes simplesmente disputem as rodadas e assumam a derrota antes de retornar a um bombsite que venceram anteriormente.

Comments

comments

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

eSports

Astralis se sagrou campeã da BLAST PRO-SERIES

Leonardo Matheus da Silva Cruz

Published

on

Neste sábado se encerrou a BLAST PRO-SERIES São Paulo, a Astralis se sagrou campeã com maestria, sendo o primeiro no chaveamento e na final bateu a Team Liquid por 2 a 1 de virada nos dois últimos mapas, 13×16 na DUST2, 16×8 na INFERNO e no mapa de desempate um passeio por 16×2 na OVERPASS, o MVP foi Device com um rating 1.35, a equipe dinamarquesa vem dominando o cenário por quase um ano e já é considerado uma das maiores equipes de todos os tempos do Counter-Strike.

Já a equipe brasileira da MIBR saiu do campeonato sem pontuar, perdendo todos os jogos, foi a pior campanha de uma equipe brasileira em um torneio internacional de CS, a equipe se mostrou um pouco nervosa, tomaram várias decisões erradas, uma delas perdendo um round na TRAIN contra Ence onde Allu venceu sozinho os 5 jogadores da MIBR faltando segundos para o round acabar, porém a torcida brasileira não os abandonaram e apoiaram a equipe até o final mesmo quando não tinha mais chances de classificação. A tabela ficou assim:

1º Astralis

2º Liquid

3º ENCE

4º NIP

5º FAZE

6º MIBR

Os campeões levaram pra casa, além do troféu, uma premiação de $125,000 dólares (quase meio milhão de reais).

 

O Brasil ainda irá receber mais um grande campeonato, a DREAMHACK RIO, que já tem 3 equipes brasileiras confirmadas, a FURIA que jogou o ultimo MAJOR em Katowice, A luminosity dos gêmeos LUCAS1 e HEN1 e os estreantes em campeonatos de grande porte, a SHARKS. A DREAMHACK RIO começa no dia 19 de abril e vai até o dia 21 de abril, é a chance de ver mais grandes equipes e quem sabe mais uma grande equipe brasileira surgir para o cenário internacional.

Comments

comments

Continue Reading

eSports

BLAST PRÓ SÉRIES

Leonardo Matheus da Silva Cruz

Published

on

BLAST PRÓ SÉRIES

A Blast pró-séries se inicia nesta sexta feira, um dos grandes eventos de Counter Strike Global Offensive que irá acontecer em São Paulo no ginásio do Ibirapuera,  o evento reúne seis grandes equipes, Astralis da Dinamarca (campeões do último major IEM Katowice), NIP da Suécia ( Ninjas in Pijamas), ENCE da Finlândia, Faze Clan da Europa, Liquid dos Estados Unidos e MIBR (Made in Brasil) do Brasil.

 Todas essas equipes irão jogar no mesmo palco e ao mesmo tempo, o torneio tem um formato rápido e será num sistema de pontos corridos, o dois primeiros colocados irão disputar a final e o terceiro colocado escolherá um dos times (fora os dois primeiros) para um X1 para decidir quem ficará com a terceira colocação, eles jogarão no modo MD1(melhor de um) na primeira fase e a final em uma MD3 (melhor de três) para definir o campeão.

A Blast pró séries é um torneio curto porém de grande importância, pois faz parte do Grand Slam que se um time acumular mais campeonatos de torneios de Grand Slam recebe uma grande premiação, e para os brasileiros tem um “gostinho a mais”, os meninos da MIBR vem de uma derrota contra Astralis na IEM  Katowice e também no último torneio realizado em São Paulo, ainda como SK Gaming, perderam a final para a Clound9 dos Estados Unidos, ou seja, a fanática torcida brasileira de CS:GO está ansiosa para ver um título em terras tupiniquins e já com todos os ingressos vendidos promete lotar o Ibirapuera que terá uma torcida toda especial organizada pelo streamer Alexandre “Gaules” que é a “La Tribonera”, uma referência ao estádio do clube argentino Boca Juniors e seu estádio a La Bombonera, que é famoso pelos torcedores pendurados no alambrado e ficará bem próximo aos jogadores.

O torneio se inicia nesta sexta (22 de março) às 19h (horário de Brasília) ainda sem torcida e se encerra no sábado (23 de março) já com torcida e que promete sem dúvidas trazer grandes jogos para os amantes de CS:GO.

Comments

comments

Continue Reading

eSports

Pela primeira vez no Brasil, DreamHack receberá torneio de Rainbow Six Siege

Bruna Andrade

Published

on

DreamHack receberá torneio de Rainbow Six Siege

 

Competição acontecerá em abril no Rio de Janeiro e terá oito times brasileiros da modalidade; Duas vagas serão destinadas a equipes femininas 

Os fãs de Rainbow Six Siege terão mais uma competição no calendário para acompanharem seus times do coração. O DreamHack Rio 2019 divulgou a realização de um torneio da modalidade no evento, que acontecerá pela primeira vez no Brasil de 19 a 21 de abril, no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. A premiação total será R$ 50 mil reais.

 

Rainbow Six será atração nos três dias do DH. Na sexta-feira (19), serão disputadas as etapas classificatórias que definem os últimos participantes da competição. No sábado (20), acontecerão os confrontos válidos pelas quartas de final e no domingo (21), as semifinais e a Grande Final.

 

Quatro vagas para o campeonato serão definidas ainda este mês, nos dias 15 e 16 de março. As oito equipes que estão na elite do cenário competitivo brasileiro se enfrentam e definem as quatro primeiras classificadas para o DreamHack. Os outros participantes serão decididos em duas qualificatórias: uma delas destinará dois lugares obrigatoriamente para equipes femininas, com duelos nos dias 18 e 19, também em março. A outra acontecerá no formato já consagrado por outras DreamHack ao redor do mundo, o BYOC – no qual os jogadores levam seus próprios equipamentos – e aceitará times masculinos, femininos ou mistos em busca das duas vagas restantes no dia 19, data da abertura do DreamHack.

 

As partidas do torneio de Rainbow Six Siege no DreamHack Rio 2019 serão disputadas em formato MD3 (melhor de três mapas) e terão transmissão ao vivo, a partir das quartas-de-final, nos canais oficiais do Rainbow Six Esports Brasil na Twitch

e no YouTube

.

 

O cenário da nova edição do evento, no entanto, já é bem conhecido pelo público que acompanha o cenário de Rainbow Six Siege. Em 2018, o Rio de Janeiro foi palco, entre os dias 17 e 18 de novembro, das finais mundiais da Rainbow Six Pro League, uma das competições mais importantes do cenário competitivo. Foram dois dias de disputas e uma legião de milhares de fãs acompanhando seus ídolos de perto. O evento foi um grande sucesso e mostrou que a cidade está preparada para receber outros torneios de grande porte.

 

“O Rainbow Six Siege já é um dos esportes eletrônicos mais queridos do público brasileiro. Os números estão aí para comprovar. Essa paixão e engajamento dos torcedores, somados ao sucesso das competições disputadas no Brasil, mostram a importância da presença da modalidade nos maiores eventos de eSports do país. Estamos muito felizes com a participação do Rainbow Six Siege no DreamHackRio”, ressalta Marcio Canosa, diretor de eSports da Ubisoft para América Latina.

 

Os ingressos para DH podem ser adquiridos no site da Tickets For Funneste link.

Comments

comments

Continue Reading
Advertisement

Veja também

Advertisement
Advertisement

Copyright © 2017 Zox News Theme. Theme by MVP Themes, powered by WordPress.

%d blogueiros gostam disto: